sábado, 31 de janeiro de 2015

Roberto Burle Marx: "Uma Vontade de Beleza" | Pinacoteca do Estado de São Paulo | Brasil

Filho de alemão, nascido em São Paulo em 1909, na "Villa Fortunato", palacete na Avenida Paulista, esquina com a Alameda Ministro Rocha Azevedo onde passou a sua infância. Em 1913 a família se mudou para o Rio de Janeiro; em 1928 para Berlim. Em 1930, de volta ao Brasil, passou a colecionar plantas topicais, ao mesmo tempo em que começou a frequentar a Escola Nacional de Belas Artes (ENBA) no Rio de Janeiro, onde teve professores como Portinari e Leo Putz. Também passa a integrar sua obra paisagística à arquitetura moderna, experimentando formas orgânicas e sinuosas na elaboração de seus projetos.
A partir de 1940 o paisagista Burle Marx assumiu proporções importantes enquanto o seu trabalho de pintura continuou a se desenvolver de modo bastante intenso e original. Segundo Giancarlo Hannud curador da exposição e da Pinacoteca de São Paulo: "Sua prática paisagística, caracterizada pela ordenação de formas, massas, cores e texturas sobre um dado espaço geográfico em estreita relação com sua topografia e flora nativa, sempre esteve intimamente ligada à sua atuação como pintor e vice versa".
A exposição reúne 80 obras entre pinturas, desenhos, cerâmicas, jóias e tapeçarias, além de seus estudos e projetos.
Desde moça, eu sempre gostei do trabalho do Burle Marx, na época quando havia algum programa na TV em que ele aparecia, que não eram muitos, sempre assistia. Era apaixonada pelos jardins do Burle Marx.
Um sonho de consumo: "quando cassasse, iria morar em uma casa enorme, com lindo jardim criado por ele". Sonhar pode!
A maior parte dos trabalhos explora o lado pintor do artista
Nanquim e tinta hidrocor sobre papel
Óleo sobre tela
No primeiro plano, desenho para a calçada de Copacabana 1970 - grafite sobre papel; ao fundo uma lindíssima tapeçaria
As jóias: Anéis; braceletes e colares em ouro e água marinha
Mãe do artista - Cecilia Burle, uma grande musicista pernambucana, romântica e lírica
"O Lucio Costa  dizia que o trabalho dele era um constante vai e vem entre a pintura, a jardinagem e o paisagismo. Não é que ele fazia uma pintura que era um jardim e um jardim que era pintura. Tudo acaba alimentando esse projeto moderno que era bem particular dele"
Até 22 de Março de 2015 a sua espera!
Deus abençoe.

2 comentários:

andre rocha disse...

Parabens Apara!

Donna Gatta disse...

"Milagres acontecem!" kkkkk
Apareça mais, obrigada pela participação!
Deus abençoe.