terça-feira, 11 de março de 2014

Provérbios 31.31

Dai-lhe do fruto das suas mãos, e deixe o seu próprio trabalho louvá-la nas portas".
Eis o provérbio de encerramento dessa descrição detalhada da "mulher virtuosa" e de encerramento do próprio livro de Provérbios.
"Dai-lhe do fruto de suas mãos" - Basicamente, o texto aqui revela que ela merece desfrutar as várias bênçãos decorrentes de seu zelo, sua diligência, sua responsabilidade, seu carinho, seu amor, sua dedicação e sua prudência. O texto nos lembra que as escolhas piedosas dela tem ótimas consequências. Um rabino comenta que esse versículo é uma oração feita pelo marido dela em seu favor: para que nas gerações seguintes ela possa ver o resultado evidente de seu trabalho (nos filhos, nos netos, e assim por diante) e elogiá-la por isso.
"E deixe o seu próprio trabalho louvá-la" - O autor está como que dizendo: "Os próprios frutos do seu trabalho a elogiarão de forma bem audível". Que descrição maravilhosa! Que promessa! Que recompensa! Possivelmente, o texto aqui nos revela que essa mulher não é alguém que "necessita" de elogios e reconhecimento (como gente assim é chata!). Ela tem a clara percepção de que tem de fazer seu trabalho bem feito e o faz, a despeito do que irá ouvir dos outros (cf. 2 Tm 3.12).
"Nas portas" - novamente, o texto aqui fala do lugar onde as questões jurídicas e principais decisões da cidade eram tomadas. As cidades eram cercadas por muros e havia uma porta central, onde os líderes se reuniam. O texto diz que naquele lugar de grande importância as obras dela serão publicamente reconhecidas e ela será elogiada. Ou seja, mesmo que a mulher virtuosa não faça qualquer alarde do que está fazendo, mais cedo ou mais tarde os frutos de seu trabalho serão publicamente percebidos e ela será elogiada.
Esse é o maravilhoso resultado de se trabalhar para o Senhor. Assim como ela, muitos dos resultados daquilo que fazemos para Deus não perceberemos nessa vida ou imediatamente. Mas a certeza de que estamos servindo a Pessoa certa deve sempre motivar a continuarmos firmes no propósito de agradá-Lo com nossas escolhas e ações (cf. 1 Co 15.58).
E nós, como temos usado os talentos e bens (dinheiro, tempo, relacionamentos)? Creio que uma passagem que nos lembra de que nossa vida na terra é apenas uma fração, quando comparada à eternidade com Deus (somente para aquele que confessou sua necessidade de um Salvador para pagar o preço pelo seu pecado), e que um dia prestaremos contas ao Senhor pelo modo como vivemos aqui é Mateus 25:21: “‘Muito bem, servo bom e fiel! Você foi fiel no pouco; eu o porei sobre o muito. Venha e participe da alegria do seu senhor!’".
Isso é o que eu desejo ouvir do meu Salvador quando deixar se mundo. Isso deve me motivar diariamente a segui-Lo, a despeito de toda a oposição que aquele que ama ao Senhor receberá progressivamente nesse mundo. A mulher virtuosa era "virtuosa", entre outras coisas, pois contemplava o resultado futuro de seu trabalho e investia nisso - não porque queria ser elogiada, mas porque queria que o seu Senhor recebesse glórias por suas ações (1 Co 10.31; Cl 3.17) - e Ele recebeu!!!
Que o nome do Senhor seja glorificado por nossas ações hoje ou no futuro e que tenhamos o sincero desejo de torna-Lo alvo de nossas ações ao longo de nossa história, de forma que possamos olhar para trás e dizer: "Como valeu a pena".
Com carinho,
Enrico.


Nenhum comentário: